Eduardo Vidal

Perfil genético de tumores pode indicar melhor condução terapêutica em pacientes com câncer no cérebro

Maria Fernanda Ziegler | Agência FAPESP – Pesquisadores do Centro de Terapia Celular (CTC-USP) descobriram um conjunto de biomarcadores capaz de indicar quais pacientes diagnosticados com um tipo agressivo de câncer cerebral (glioma) teriam tumores com maior resistência à radioterapia. A descoberta, publicada na revista Frontiers in Oncology, pode auxiliar médicos na decisão sobre o tratamento mais indicado e com melhor prognóstico de sobrevida para os pacientes.

O glioma é o mais comum e agressivo câncer cerebral em adultos e seu tratamento consiste na remoção cirúrgica do tumor, seguida por quimioterapia ou radioterapia (ou os dois). O objetivo é eliminar o que não pode ser retirado na cirurgia e evitar, assim, que o tumor se desenvolva novamente. No entanto, devido à resistência das células tumorais ao tratamento, a taxa de sobrevida dos pacientes tende a ser baixa. Estima-se que 80% dos pacientes que passaram por sessões de radioterapia tiveram recidiva meses depois do tratamento.

“Com o estudo fornecemos um subsídio importante para uma potencial triagem de pacientes que devem ou não ser submetidos à radioterapia. É uma assinatura grande, identificamos 31 genes que quando alterados podem indicar resistência ou sensibilidade à radioterapia. Com isso, é possível verificar se existem células altamente resistentes ao tratamento por rádio na massa tumoral, o que pode auxiliar na tomada de decisão quanto à conduta terapêutica”, afirma Valéria Valente, professora da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Araraquara, e pesquisadora associada do Centro de Terapia Celular.

Os achados do estudo em laboratório foram confirmados com as informações de um banco de dados público (The Cancer Genome Atlas – TCGA) que contém a caracterização genômica e informações clínicas de pacientes que tiveram glioma e que demonstraram sensibilidade ou resistência à radiação.

Confira a reportagem completa no site da Agência FAPESP.

Laboratório Translacional de Oncologia da FMRP-USP oferece duas bolsas de doutorado

O Laboratório Translacional de Oncologia (LTO), da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, oferece duas bolsas de doutorado vinculadas ao projeto Jovem Pesquisador FAPESP “Suscetibilidade Genética ao Câncer Renal”.

Os interessados devem enviar e-mail, até o dia 31 de agosto, para o endereço leandroc@fmrp.usp.br com o título “Aplicação para bolsa DOUTORADO DIRETO”, contendo: súmula curricular (modelo FAPESP), duas cartas de recomendação e uma carta de motivação.

A pesquisa tem como objetivos: avaliar a susceptibilidade genética ao câncer renal, identificar mecanismos moleculares dessas regiões e investigar a interação somático-germinativo no tratamento com imunoterapia.

O candidato deve ter concluído graduação (com boas notas e sem reprovação) em algum curso da área das ciências biológicas/saúde, ter conhecimento sobre técnicas básicas em biologia molecular, modelos animais e/ou cultura de células, e ter concluído com sucesso pelo menos uma iniciação científica.

O processo de seleção será constituído das etapas de análise do currículo e entrevista (apenas para os selecionados na etapa anterior). A entrevista será agendada previamente por e-mail. A previsão de início das atividades é para setembro/novembro de 2021 (a discutir). A duração da bolsa é de até 48 meses.

Estão abertas as inscrições para alunos no Adote Online da Casa da Ciência

O programa “Adote Online” retoma as atividades no dia 12 de agosto, às 14h30, no canal do YouTube da Casa da Ciência. Estudantes de 13 a 18 anos, cursando entre o 7º ano do Ensino Fundamental e o 3º ano do Ensino Médio, de todas as regiões do país estão convidados a participarem!

As inscrições vão até o dia 01 de agosto e devem ser realizadas pelo formulário disponível no link: https://forms.gle/d9yZ3cQEGzMS3ASH8

A iniciativa vai trazer uma série de vídeos gravados pelos pós-graduandos e docentes do campus da USP de Ribeirão Preto. Os palestrantes apresentarão conceitos das áreas em que atuam e solicitarão uma pequena tarefa no final de cada encontro virtual. Ao todo serão 15 dias de atividades e um dia de finalização do semestre. Para receber o certificado do programa, o aluno deve enviar no mínimo 80% das tarefas solicitadas.

Mais informações pelo WhatsApp: (16) 98829-2065 ou e-mail: contato@casadaciencia.com.br.

A Casa da Ciência iniciou as atividades em 2001, como parte do Centro de Terapia Celular (CTC-USP), um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) apoiados pela FAPESP.