O que são células CAR T?

As células CAR T são células produzidas em laboratório derivadas das células mais importantes do nosso
sistema de defesa, as células T. Em seu estado natural, as células T, que nos protege contra infecções e tumores, podem perder a capacidade de “enxergar” as células do câncer. Assim, o processo de produção das células CAR T nada mais é do que modificar as células T para que elas possam readquirir a capacidade de “enxergar” células específicas do câncer e destruí-las, tais como as células das leucemias e dos linfomas.

Como são produzidas as células CAR T?

Após a coleta das células T do paciente, através de um procedimento chamado de aférese, as células T são modificadas
em laboratório para dar origem às células CAR T. Após o processo de modificação, as células CAR T são multiplicadas até uma dose adequada para o peso do paciente. Ao final, as células CAR T são infundidas na circulação sanguínea do paciente, promovendo a destruição de células específicas do câncer.

Qual a importância das células CAR T no tratamento do câncer?

As células CAR T são consideradas revolucionárias no tratamento do câncer. Cerca de 90% dos pacientes
portadores de leucemia linfoblástica aguda de células B e, sem quaisquer perspectivas de tratamento,
responderam ao uso de células CAR T, dos quais cerca de 60% obtiveram a cura. Outras doenças como o mieloma múltiplo e linfomas também apresentam excelente resposta ao tratamento com células CAR T. Nos EUA, dois produtos de células CAR T, desenvolvidos pela indústria farmacêutica e aprovados para uso comercial pelo FDA possuem custo médio de US$ 400.000 (quatrocentos mil dólares) a infusão.

No Brasil, por se tratar de tecnologia desenvolvida em Ribeirão Preto, estima-se que o custo seja não mais que 10% deste valor. Um grupo seleto de países possui a tecnologia necessária para a produção das células CAR T, grupo que agora inclui o Brasil.

 

 

 

 

Como foi desenvolvida esta tecnologia no Brasil pelo CTC de Ribeirão Preto/SP?

O Centro de Terapia Celular da Fundação Hemocentro de Ribeirão Preto é a primeira instituição brasileira
a desenvolver tecnologia 100% brasileira para a produção de células CAR T.
Com um robusta experiência em Terapia Celular, o CTC destaca-se pelo seu pioneirismo no desenvolvimento de tratamentos complexos que beneficiam a população brasileira. O CTC possui estrutura própria em condições de produzir células para uso clínico em humanos que segue o rigoroso padrão GMP, sigla em inglês para boa prática de manufatura ou produção.

 

 

Como foi aplicada essa tecnologia?

Com a tecnologia desenvolvida pelo CTC de Ribeirão Preto, as células T de um paciente
portador de Linfoma Não-Hodgkin avançado sem perspectiva alguma de tratamento foram processadas e transformadas em células CAR T. A infusão ocorreu no início de setembro de 2019 e o paciente teve excelente resposta ao tratamento. Após a infusão houve desaparecimento das lesões palpáveis do linfoma e interrupção do uso de morfina como analgésico.

Próximos passos

Com a realização do primeiro tratamento de um paciente com células CAR T no Brasil, encerra-se o ciclo de transferência e desenvolvimento tecnológico. O maior desafio é elevar em escala a produção de células CAR T para que um número maior de pacientes brasileiros tenham acesso a tratamento seguro com padrões GMP através da abertura de novos protocolos de pesquisa. Para isso, o CTC de Ribeirão Preto investe na ampliação de sua estrutura de processamento celular, desenvolvimento e produção de novos vetores para o tratamento de outros tipos de cânceres, tais como linfomas, leucemias agudas, mielomas múltiplos e tumores sólidos.