Pesquisador internacional visita o Hemocentro de Ribeirão Preto para a discussão de projetos científicos

Os pesquisadores do CTC-USP, Hemocentro RP e Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP-USP) recebem a visita do Prof. Robert S. Welner, da Universidade do Alabama (EUA), de 07 a 12 de novembro. Durante o encontro será realizada a discussão de projetos de pesquisa utilizando metodologia de sequenciamento de célula única.

Clique aqui e acompanhe o cronograma completo de atividades.

Trabalho premiado em congresso apresenta metodologia eficaz para a produção de células CAR-T

A pesquisadora Sarah Caroline Gomes de Lima foi premiada com o “Melhor Trabalho de Transplante de Medula Óssea e Terapia Celular”, no tradicional Congresso Brasileiro de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (HEMO 2022).

No estudo “All-In-One Virus-Free Manufacturing Process of Allogeneic Chimeric Antigen Receptor (CAR) T Cells Using CRISPR-Cas9”, os cientistas estabeleceram uma metodologia de produção simplificada e rápida para a geração de células CAR-T, de doadores saudáveis, que pode beneficiar pacientes no tratamento do câncer.

O trabalho foi apresentado na Sessão Plenária do HEMO 2022, no dia 27/10. A reunião foi organizada pela Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH) e aconteceu de 26 a 29/10, em São Paulo.

A bióloga é mestranda pelo programa de pós-graduação em Oncologia Clínica, Células-Tronco e Terapia Celular da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP-USP) e integra o Laboratório de Transferência Gênica do Hemocentro de Ribeirão Preto / CTC-USP, onde é orientada pelo Dr. Lucas Eduardo Botelho de Souza.

Saiba mais sobre o projeto premiado no vídeo abaixo produzido pela TV Hemocentro RP e na reportagem do Jornal SP Record.

Pioneirismo na vacinação em Serrana (SP) foi o principal fator para a redução da mortalidade de COVID-19

Um estudo coordenado por pesquisadores do Hemocentro de Ribeirão Preto, CTC-USP e Instituto Butantan concluiu que a vacinação contra a COVID-19 em Serrana (SP), cidade modelo de imunização no Brasil e sede do Projeto S, foi responsável por reduzir a taxa de mortalidade, morbidade e casos graves da doença durante a circulação das variantes Gamma e Delta do vírus SARS-CoV-2. Porém, a rápida disseminação da variante Omicron inspira cuidados e constante vigilância genômica.

O artigo “Dynamics of SARS-CoV-2 Variants of Concern in Vaccination Model City in the State of Sao Paulo, Brazil” foi publicado nesta quinta-feira, 29/09, no periódico MDPI e integra a edição especial “Molecular Epidemiology of SARS-CoV-2”.

Os moradores da cidade de Serrana, localizada na região de Ribeirão Preto (SP), participaram do primeiro programa de vacinação contra a COVID-19 do país, com a aplicação em massa da vacina CoronaVac (Sinovac Biotech). Entre junho de 2020 e abril de 2022, os pesquisadores realizaram a vigilância molecular do SARS-CoV-2 em 4375 genomas completos, para avaliar o efeito da imunização e os resultados clínicos.

Segundo os autores, a dinâmica de substituição do SARS-CoV-2 no município seguiu a epidemiologia molecular viral no Brasil, incluindo a identificação inicial das linhagens ancestrais (B.1.1.28 e B.1.1.33) e ondas epidêmicas de variantes preocupantes, incluindo Gamma, Delta e, mais recentemente, Omicron.

Os cientistas destacam que a vigilância genômica realizada desempenha um papel importante no monitoramento de variantes do SARS-CoV-2, pois permite a detecção rápida de novas linhagens e o monitoramento de suas taxas de disseminação e substituição.

A equipe segue monitorando o vírus na região, com atenção para a diversificação da variante Omicron e as sublinhagens que possam surgir.

Imagem: Instituto Butantan

 

Artigo incentiva o monitoramento no combate às neoplasias mieloides secundárias

As neoplasias mieloides secundárias são complicações graves que a longo prazo podem ocorrer em pacientes com anemia aplástica e hemoglobinúria paroxística noturna. No entanto, a doença ainda carece de preditores específicos, medidas de vigilância dedicadas e intervenções terapêuticas precoces.

Essa importante abordagem é tema de um recente artigo publicado no “Journal of Clinical Oncology”, a mais importante revista de oncologia do mundo, que teve a colaboração do Prof. Dr. Rodrigo Calado, chefe do Departamento de Imagens Médicas, Hematologia e Oncologia Clínica da FMRP-USP, diretor presidente executivo do Hemocentro de Ribeirão Preto e pesquisador principal do CTC-USP.

O estudo “Clinical and Molecular Determinants of Clonal Evolution in Aplastic Anemia and Paroxysmal Nocturnal Hemoglobinuria”, divulgado no dia 02/09, está disponível no link: https://ascopubs.org/doi/abs/10.1200/JCO.22.00710.

A anemia aplástica é uma doença caracterizada pela redução na produção dos constituintes do sangue: hemácias, plaquetas e glóbulos brancos. Ela pode ser de origem hereditária ou adquirida ao longo da vida por meio de contato com agentes químicos.

A hemoglobinúria paroxística noturna é uma doença rara das células-tronco, caracterizada por uma anemia hemolítica, ou seja, quando a medula óssea não é capaz de repor os glóbulos vermelhos que estão sendo destruídos.

Saiba mais no vídeo abaixo produzido pela TV Hemocentro RP.