Por dentro da Pesquisa: “Terapia com células estromais mesenquimais”

O Por dentro da Pesquisa apresenta a palestra “Terapia com células estromais mesenquimais”, ministrada pela Profa. Dra. Kelen Malmegrim de Farias, docente da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP-USP), pesquisadora associada do CTC-USP e Hemocentro RP.

No encontro foram abordados temas ligados à área de terapia celular, células-tronco hematopoiéticas e mesenquimais, células estromais mesenquimais (produção em larga escala para uso terapêutico) e suas vesículas extracelulares, exemplos de pesquisa clínica e aplicada.

A série Por dentro da Pesquisa retoma palestras e aulas, ministradas pelos nossos pesquisadores, que agregam conceitos e experiências nas áreas de terapia celular, oncologia, genética, bioinformática, hematologia, dentre outras que compõem os estudos das instituições.

Os vídeos são publicados quinzenalmente, às sextas-feiras, nas mídias sociais do CTC-USP e no canal do YouTube do Hemocentro RP.

Estudo testa nova abordagem envolvendo linfócitos T-CAR para o tratamento do câncer

A utilização dos linfócitos T-CAR como alternativa para o tratamento do câncer tem se mostrado promissora. A terapia apresentou uma eficácia alta em casos de leucemias e linfomas de células B, mas um êxito ainda limitado para outros tipos de tumores.

Nesse sentido, diversos centros de pesquisa têm trabalhado para ampliar as possibilidades no combate à doença, incluindo o Centro de Terapia Celular (CTC-USP), primeira instituição a desenvolver tecnologia 100% brasileira para a produção de células CAR-T.

Uma dessa abordagens é a polarização dos linfócitos para o fenótipo Th17, alvo de estudo da engenheira biotecnológica Heloisa Brand, mestranda em Oncologia Clínica, Células-Tronco e Terapia Celular pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP-USP).

Os resultados desta investigação fazem parte da dissertação “Caracterização funcional de linfócitos T-CAR anti-CD19 polarizados para o fenótipo Th17 através da superexpressão de RORγt” que será defendida em setembro, orientada pelo Dr. Lucas Eduardo Botelho de Souza, coordenador do Laboratório de Transferência Gênica do Hemocentro de Ribeirão Preto e pesquisador do CTC-USP.

Saiba mais detalhes no vídeo abaixo produzido pela TV Hemocentro RP!

Pesquisa com foco no combate a progressão do melanoma recebe Menção Honrosa no “Prêmio CAPES de Tese 2022”

A tese de doutorado “Análise bioinformática e caracterização funcional de RNAs longos não-codificadores envolvidos na progressão do melanoma”, de autoria do pesquisador Ádamo Davi Diógenes Siena, recebeu Menção Honrosa no “Prêmio CAPES de Tese 2022”.

O trabalho foi premiado na área de Ciências Biológicas I e contou com a orientação do Prof. Dr. Wilson Araújo da Silva Junior, docente da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP-USP) e pesquisador principal do Centro de Terapia Celular (CTC-USP).

O melanoma representa cerca de 5% dos cânceres de pele, mas corresponde a 80% das mortes de pacientes acometidos. Quando detectado precocemente, tem grande chance de ressecção, mas em um cenário de metástase seu prognóstico é ruim.

O estudo completo está disponível na Biblioteca Digital da USP no link: https://bit.ly/3JLI3Ro.

Assista ao vídeo abaixo produzido pela TV Hemocentro RP!

 

Estudo pioneiro aponta avanços no tratamento da insuficiência respiratória associada a COVID-19 grave

A continuação de um estudo internacional sobre a COVID-19 confirmou uma estratégia terapêutica promissora para o tratamento de pacientes em estado grave. A pesquisa foi publicada em 17 de agosto no periódico “Science Advances” e teve a colaboração do Prof. Dr. Rodrigo Calado, chefe do Departamento de Imagens Médicas, Hematologia e Oncologia Clínica da FMRP-USP, diretor científico do Hemocentro de Ribeirão Preto e pesquisador principal do CTC-USP.

A investigação, também conduzida em Ribeirão Preto no Hospital das Clínicas da FMRP-USP, acompanhou pacientes tratados com a droga AMY-101, a fim de avaliar a eficácia do composto de maneira ampla. A inibição da proteína C3 pela molécula proporcionou uma recuperação mais rápida da função respiratória dos pacientes, um controle terapêutico robusto e uma melhor resposta anti-inflamatória causada pelo SARS-CoV-2.

O estudo ITHACA foi o primeiro de fase 2 randomizado, controlado por placebo, visando C3 na insuficiência respiratória associada a COVID-19 grave. No trabalho, os pesquisadores relataram observações clínicas e descobertas biológicas que podem lançar luz sobre o impacto global da inibição de C3 em mecanismos patogênicos complexos relacionados à doença.

O artigo “Complement C3 inhibition in severe COVID-19 using compstatin AMY-101” está disponível no link: https://www.science.org/doi/10.1126/sciadv.abo2341. Clique aqui para ouvir a entrevista do Prof. Dr. Rodrigo Calado para a rádio CBN Ribeirão Preto.