“A importância das pesquisas com células-tronco” é tema do USP Analisa

A Profa. Dra. Lygia da Veiga Pereira foi a entrevistada do programa USP Analisa, da Rádio USP Ribeirão Preto, no dia 18 de agosto. O assunto foi  o desenvolvimento de importantes pesquisas relacionadas as células-tronco, no Brasil e no mundo, voltadas ao tratamento e cura de diversas doenças.

A  pesquisadora é docente do Instituto de Biociências da USP, chefe do Laboratório Nacional de Células-Tronco Embrionárias (LaNCE USP) e integrante do Centro de Terapia Celular (CTC USP).

Clique aqui e ouça a entrevista.

Reportagem com pesquisadora do CTC aborda os uso de células-tronco para a cura de doenças

Assista a reportagem com a pesquisadora Lygia da Veiga Pereira sobre o uso de células-tronco no tratamento de doenças, veiculada no Jornal da EPTV Ribeirão Preto.

A entrevista foi realizada durante a conferência “Pesquisa em células-tronco no Brasil: cenário atual e perspectivas”, ministrada no dia 09 de agosto, no Auditório do Bloco Didático da FMRP-USP.

A Dra. Lygia da Veiga Pereira é professora titular do Instituto de Biociências da USP, pesquisadora principal do Centro de Terapia Celular (CTC-USP) e chefe do Laboratório Nacional de Células-Tronco Embrionárias (LaNCE) da USP.

Pesquisadora internacional ligada ao Transplante de Medula Óssea participa do Seminário do CTC

 

A Dra. Simrit Parmar é professora associada no departamento de transplante de células-tronco e terapia celular do MD Anderson Cancer Center, Houston, Texas, Estados Unidos.

O trabalho da pesquisadora com o Transplante de Medula Óssea é focado em células T regulatórias, envolvimento na patogênese da doença e prevenção de distúrbios autoimunes, incluindo a doença enxerto contra hospedeiro.

O interesse clínico é o desenvolvimento de programas abrangentes de Amiloidose em colaboração com o departamento de Mieloma.

CTC USP é pioneiro no Transplante de Medula Óssea no Brasil

Considerado o único tratamento capaz de curar a anemia falciforme, o transplante de medula óssea foi incluído no rol de procedimentos cobertos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), em julho de 2015.

Parte das evidências científicas que contribuíram para a inclusão do tratamento na rede pública foi produzida em trabalhos realizados no Centro de Terapia Celular (CTC USP).

O procedimento consiste em destruir com o uso de drogas quimioterápicas a medula óssea do paciente, que produz células sanguíneas defeituosas. Em seguida, são infundidas células-tronco da medula de um doador compatível para que seja criada uma nova fábrica de células sanguíneas sadias.

Estudo desenvolve estratégias para o tratamento de tumores cerebrais cancerígenos agressivos

Uma pesquisa apoiada pelo Centro de Terapia Celular (CTC-USP) traz novas perspectivas no tratamento de um dos tipos de tumores cerebrais cancerígenos mais agressivos, os astrocitomas.

O pesquisador do CTC Wilson Araujo da Silva foi um dos responsáveis pelo estudo
O pesquisador do CTC Wilson Araujo da Silva foi um dos responsáveis pelo estudo

O estudo conduzido pela bióloga Valeria Valente, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Unesp, identificou as alterações genéticas com maior potencial de promover agressividade, revelando potenciais biomarcadores de prognóstico e genes candidatos a alvos terapêuticos.

A equipe trabalhou com células de astrocitoma coletadas de 55 pacientes no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP-USP) buscando assinaturas de expressão gênica associadas ao tempo de sobrevida dos pacientes. Os resultados dessa investigação foram publicados na revista Tumor Biology.

Confira a reportagem completa produzida pela Agência FAPESP.